dívidas

Renegociação de dívidas da empresa: Entenda como funciona

Com a economia instável e o mercado de trabalho em declínio, é comum que as pessoas tenham problemas para pagar suas contas. Parcelamentos, empréstimos, despesas imprevistas, financiamentos e até contas básicas do dia-a-dia podem fazer com que contas pessoais ou comerciais não sejam pagas e se tornem dívidas.

Penso na economia como o funcionamento de um trem, um dos quais depende constantemente do progresso do outro à sua frente. Então, quando um trem no relacionamento não está funcionando, o outro é prejudicado. 

Isso acontece tanto com credores quanto com devedores, porque a dívida do devedor faz parte do fluxo de caixa do credor e, se entrar em default, o sistema financeiro do credor muda drasticamente.

Diante disso, para manter o fluxo de caixa o mais normal possível, o credor pode entrar em contato com o devedor para quitação da dívida. 

No entanto, quando todas as alternativas viáveis ​​foram utilizadas e o pagamento não foi efetuado, é mais benéfico recomendar a renegociação.

A renegociação não é utilizada apenas no âmbito do direito do consumidor, pois nos bancos, muitas empresas utilizam esse recurso em situações como locações de equipamentos, contratos de prestação de serviços, inadimplência de universidades particulares, etc.

Ainda é importante lembrar que, na maioria dos casos, a renegociação não consiste em reduzir o valor da dívida, mas estabelecer novos parâmetros de pagamento. 

Os credores muitas vezes querem relacionamentos saudáveis ​​com os devedores, e renegociar a dívida é uma maneira. 

Meu pensamento é que alguns credores querem forçar uma renegociação, mas o devedor deve saber que não é obrigado a aceitá-la.

O que é dívida?

Incorremos em dívidas quando celebramos contratos com terceiros e obtemos bens ou serviços em troca de pagamentos futuros. 

Na definição conceitual, o contrato pode ser de qualquer tipo, ou seja, não precisa necessariamente ser documentado.

Esse pagamento não precisa ser em dinheiro para constituir uma dívida. Por exemplo, se uma empresa toma dinheiro emprestado e promete pagá-lo no futuro, seja em parcelas ou integralmente, cria dívida. Isso é semelhante ao caso das compras parceladas.

Este tipo de acordo tem dois números. O credor é quem tem o direito de cobrar a dívida, e o devedor tem a obrigação de pagar.

Claro, a dívida nem sempre é uma coisa ruim. Também pode significar que alguns investimentos estão sendo feitos e, se tudo estiver em ordem, são apenas mais uma parte do planejamento financeiro. No entanto, é bom saber identificar dívida boa e dívida ruim.

Qual é a importância da renegociação de dívidas?

Primeiro, a renegociação evita que a dívida se acumule rapidamente e se torne difícil de pagar no futuro. Por isso, é uma das melhores formas de garantir a saúde financeira do seu negócio.

Novamente, vale ressaltar que o aspecto financeiro é muito importante, pois permite que a organização mantenha suas atividades. 

Se uma empresa acumular prejuízos, será difícil garantir sua continuidade no mercado. Assim, a renegociação de dívidas ajuda a paralisar o processo.

Além disso, o ato de buscar e negociar ajuda sua empresa a melhorar gradativamente sua credibilidade no mercado.

Vale a pena notar que as organizações que atrasam continuamente os pagamentos tendem a ter mais dificuldade em obter crédito e comprar novos produtos no futuro.

Sendo assim, as empresas enfrentam dificuldades e constrangimentos quando precisam fazer novos investimentos.

Quanto pode pagar

Também é importante saber quanto sua empresa pode pagar a cada período sem comprometer a parte financeira. Então, você deve se perguntar: como você sabe disso?

Basta verificar seu lucro líquido (depois de deduzir descontos oferecidos aos clientes, devoluções de mercadorias, impostos, custos e abatimentos) para ver quanto dinheiro sua empresa terá disponível e os limites que podem ser usados ​​para transações.

Nesse sentido, caso a proposta do credor ultrapasse esse teto, a aceitação não é recomendada. Isso porque, se você optar por esse acordo, sua empresa só trocará dívida, então ela voltará a crescer com o tempo.

Seja cuidadoso para não fazer novas dívidas

Depois de negociar as melhores condições de pagamento e finalmente quitar sua dívida, não se esqueça de pedir uma carta de liberação ao seu credor.

Em seguida, verifique com que frequência sua situação se normalize no Serasa caso seu nome seja negativo.

Além disso, evite cair na armadilha da dívida novamente. Mantenha suas planilhas financeiras atualizadas e continue reduzindo ou cortando despesas, especialmente despesas não essenciais e intangíveis.

Tente também colocar parte de sua renda como reserva de emergência, caso precise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *