O que fazer quando não se tem dinheiro para pagar um inventário?

Você tem que fazer o pedido de um inventário e não possui dinheiro para pagar as taxas ou o advogado? Não se preocupe, isso é muito comum e tem uma solução, no texto de hoje vamos explicar o que fazer quando não se tem dinheiro para pagar um inventário.

O inventário é uma forma simples de compartilhar os bens do falecido com seus herdeiros, assim evita que esses itens parem em quaisquer mãos.

Mas, durante o processo na justiça pode acontecer alguns contratempos que podem atrapalhar na divisão de bens. Um exemplo disso é a falta de dinheiro para dar início ao processo.

Veja aqui o que fazer quando não possui financeiramente meios para realizar o inventário.

Inventário na Defensoria pública

Existem três formas de lidar com esse problema e uma delas é acionar a defensoria pública! Então, se você não possui dinheiro, principalmente no que diz respeito aos honorários de um advogado, pode pedir auxílio para esse órgão.

No final ele contratará de forma rápida e conseguirá executar o processo para você sem custos.

Mas fique atento a algo, por ser um processo judicial gratuito e ter uma grande demanda pode demorar algum tempo para que o caso comece a ser visto pelo órgão. De toda forma é uma opção. Isso acontece com muitos outros processos, não apenas com o de inventário, então acionar a defensoria pública pode ser realmente mais demorado.

Arrolamento em vez de inventário

Esse processo acontece por uma via judicial. Ele pode conceder a você uma rota de fuga. É claro, ele acontece também seguindo uma lógica de comprovação de renda, então é fundamental que isso esteja de acordo!

O arrolamento é uma maneira simples de inventariar bens, levando em conta um limite de 1000 salários-mínimos. Pode ser mais rápido que outras vias e apresenta uma solução eficiente para diversas pessoas.

Parcelamento ou isenção

O que é interessante nesse método é que o parcelamento é uma opção. Além disso, pode-se trabalhar com formas mais simples de pagar esses valores, um deles é a venda dos bens.

Imagine que seja deixado para você algo que paga parte dos valores de taxas e advogados. Você pode utilizar isso para completar o caso e receber o restante do valor. É algo que deve ser bem pensado, já que exige a venda de algo que você pode não querer executar.

Vale lembrar também que nessa rota judicial, caso o herdeiro apresente alguma deficiência, pode isentar os pagamentos de taxas.

Qual é a melhor rota?

Existem várias formas de trabalhar com o conceito de falta de recursos financeiros. Muitas pessoas, mesmo em casos diferentes, apostam na defensoria pública por ela representar maiores oportunidades, tanto para proventos como para taxas.

Isso mesmo, além desse órgão lidar com possíveis preços de taxas pode ajudar na busca e pagamento de um advogado, o que torna tudo mais eficiente.

Se você realmente não possui uma renda para que possa fazer o processo é importante trabalhar com algum desses métodos.

Se você vai parcelar o valor ou tentar uma inserção, pode procurar ajuda ou mais informações acerca até mesmo na internet, existem consultorias jurídicas online que podem ajudar no seu caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *