Como montar um e-commerce

Os brasileiros estão cada vez mais interessados em aprender como montar um e-commerce. Tanto é assim que a abertura de lojas virtuais cresceu aproximadamente 40% entre junho de 2018 e junho de 2019, de acordo com pesquisa realizada pela PayPal Brasil.

A título de comparação, este número é três vezes maior que os 12,5% alcançados no período 2017 / 2018. Seja como for, parte dos empreendedores que entram no ramo são pessoas como você, que querem ter uma versão virtual de um comércio físico que já possuem.

Hoje, estima-se que existam de fato mais de 900 mil sites de e-commerce ativos no Brasil. Destes, aproximadamente 90% pertencem a pequenos empresários, os quais pretendem entrar para a lista de médios e grandes empresários em longo prazo.

Para lhes ajudar neste processo nós criamos este artigo que conta com os seguintes tópicos:

  • Como montar um e-commerce passo a passo;
  • Realizar um reconhecimento do setor;
  • Ter uma ideia de negócio;
  • Ter uma ideia de mix de produtos;
  • Planejar o negócio;
  • Abrir uma empresa;
  • Implantar a loja virtual;
  • Administrar o negócio;
  • Investir em melhoria contínua;
  • Tipos de plataformas de e-commerce;
  • Software as a Service (SaaS);
  • Licenciada;
  • Open Source;
  • Processo de implantação de e-commerce;
  • Faça você mesmo;
  • Monte um setor de programação back-end e front-end;
  • Contrate uma agência e-commerce;
  • Gestão de e-commerce.

Enfim, reserve 5 minutinhos e fique por dentro de tudo. Vá em frente agora!

COMO MONTAR UM E-COMMERCE PASSO A PASSO

Se você está tentando saber como montar um e-commerce, o primeiro passo é reconhecer que não existe uma receita de sucesso pronta para tal. Todavia, é possível seguir um passo a passo tradicional, o qual poderá lhe ajudar a iniciar um projeto com mais segurança.

Neste contexto, considere, por exemplo:

REALIZAR UM RECONHECIMENTO DO SETOR

Leve um tempo, um a seis meses, para ficar a par de tudo o que ocorre no mundo do comércio eletrônico. Leia as novidades das publicações especializadas como os blogs, sites e revistas do setor. Leia também os livros mais atuais e faça cursos no ramo.

Paralelamente, além de estudar os processos de funcionamento do e-commerce, dê uma pesquisada em formas de empreendedorismo e gestão de empresas. Isso com certeza vai lhe ajudar a obter uma visão mais abrangente do terreno onde pretende pisar.

TER UMA IDEIA DE NEGÓCIOS

Logo depois de realizar um reconhecimento do setor, você deverá desenvolver uma ideia de negócios. Se já tiver uma pronta, então use-a. Aliás, em boa parte dos casos, o empreendedor tem um comércio físico e quer apenas reproduzir este modelo no meio virtual.

Todavia, caso não possua uma ideia clara, comece por um nicho lucrativo. Se tiver dificuldades com isso leia o livro “Business Model Generation”, de Alexander Osterwalder. Tenho certeza que este material lhe ajudará a descobrir um bom modelo de negócio em pouco tempo.

TER UMA IDEIA DE MIX DE PRODUTOS

Pois bem, você fez o reconhecimento do setor e teve uma ideia de negócios. Agora é a hora de esboçar seu mix de produtos. Isso mesmo, eu disse “esboçar”, pois sua lista não será definitiva. Em outras palavras, você poderá melhorá-la no futuro quando a loja já estiver funcionando.

Dependendo do seu nicho de negócios, o mix deverá ser fixo (os mesmos produtos sempre), como seria o caso de um e-commerce de produtos para creche; ou variável conforme a estação, como é o caso das lojas virtuais de moda. Pense nisso!

PLANEJAR UM NEGÓCIO

Uma vez que o terreno tenha sido preparado, parta para o alicerce. Desenvolva a base do seu comércio eletrônico. Isto é, planeje. Nesta etapa, a maioria dos empreendedores prefere o Plano de Negócios (PN), que é um documento que requer tempo para ser preenchido.

O PN permite planejar primeiro e implantar depois. Leia o livro “O segredo de Luísa” para saber mais. Mas há outros métodos. O da startup é um deles. Uma startup você planeja e implanta simultaneamente. Aprende-se fazendo. Leia o livro “A startup enxuta” e fique por dentro.

ABRIR UMA EMPRESA

Abrir uma empresa é fundamental no processo de criação de um comércio eletrônico. Dessa forma, você obterá um CNPJ e poderá emitir Notas Fiscais aos consumidores e/ou empresas para quem pretender vender.

Acione um bom contador e peça para ele abrir uma pequena ou média empresa no seu nome. Ou, se quiser testar uma ideia apenas antes de partir para algo mais sério, comece como Microempreendedor Individual (MEI).

IMPLANTAR A LOJA VIRTUAL

Com tudo planejado e uma empresa aberta, passe então para a fase de escolha de uma plataforma de e-commerce. Saiba mais sobre isso adiante neste mesmo texto. Um bom sistema sem dúvida pode lhe ajudar a fazer mais vendas.

Para fins de exemplo, de acordo com o artigo “O que é VTEX” publicado pelo CEO da agência e-Plus, Tiago Moraes, a plataforma VTEX é um sistema cloud commerce que é atualizado diariamente, o que o mantém sempre alinhado com as exigências do mercado.

ADMINISTRAR O NEGÓCIO

Uma vez implantada a loja virtual, você deverá gerenciar a mesma e também a sua empresa como um todo. Isso inclui embalar produtos e fazer campanhas de divulgação, etc. Além disso, será preciso realizar as rotinas administrativas tradicionais (contabilidade, RH, etc.)

Enquanto a empresa é MEI, é bem possível realizar tudo isso sozinho. Contudo, na medida em que a empresa cresce, daí torna-se necessário contratar profissionais ou terceirizar departamentos inteiros como o de Marketing, por exemplo.

OTIMIZAR

Diariamente, capacite seus colaboradores, bem como melhore seus processos de trabalho, seu mix de produtos e a experiência de compra dos consumidores. Quanto mais isso for otimizado, maiores serão as vendas e mais rápido sua empresa crescerá.

Sugiro que você insira a “Otimização” entre os valores da sua Cultura Organizacional. Ademais, é uma boa ideia investir na implantação de uma filosofia de melhoria contínua como a Kaizen, por exemplo.

TIPOS DE PLATAFORMAS DE E-COMMERCE

Uma das fases mais importantes da implantação de um comércio eletrônico é o da escolha de uma plataforma de e-commerce. É por meio desse sistema que você não apenas cria, mas também gerencia uma loja virtual ao longo do tempo.

Sendo assim, é imprescindível realizar uma boa escolha logo no começo, pois assim não será necessário gastar dinheiro para trocar de sistema quando a sua loja online começar a receber mais visitantes e crescer.

Basicamente, existem três tipos de plataformas de e-commerce:

1 – Software as a Service (SaaS):

Uma plataforma assim é desenvolvida via infraestrutura em nuvem. A mencionada VTEX é um sistema SaaS. É preciso alugá-la para poder utilizá-la. As atualizações são geralmente rápidas e realizadas simultaneamente em todas as lojas que usam o sistema. O CMS é 100% editável.

2 – Licenciada:

Uma plataforma licenciada é desenvolvida por uma determinada empresa que mantém privado o código fonte do sistema. Para utilizá-la é necessário antes comprar uma licença. A infraestrutura muitas vezes não é em nuvem, por isso, as otimizações não são uniformes.

3 – Open Source:


Uma plataforma Open Source tem o código aberto. Dessa forma, os desenvolvedores podem intervir livremente e gratuitamente no código e criar aplicações altamente personalizadas para os seus sites de e-commerce. Contudo, as atualizações são lentas e seu uso é complicado.

IMPLANTAÇÃO DE E-COMMERCE

Como implantar, enfim, um site e-commerce? Há fundamentalmente três formas de se fazer isso:

1 – Faça você mesmo:

Se tiver conhecimento suficiente para usar algum tipo de plataforma e-commerce, então poderá implantar uma loja virtual você mesmo. Caso queira aprender, então poderá realizar um treinamento e obter uma certificação diretamente na empresa proprietária do sistema. Saiba, contudo, que dominar um sistema desses pode levar entre seis meses e um ano, ou talvez mais.

2 – Monte um setor de programação front-end e back-end:

Contrate um profissional back-end e outro front-end. Assim será possível trabalhar o código fonte e o CMS da plataforma e-commerce a seu favor. Entretanto, você precisa saber que para ter funcionários será necessário investir em hardwares e softwares. Além disso, será preciso pagar salários e encargos trabalhistas. Isso sem falar na manutenção mensal do setor.

3 – Contrate uma agência de e-commerce:

O jeito mais interessante de implantar um site e-commerce é por intermédio de uma agência de e-commerce. Dessa maneira, você usufrui dos serviços, softwares, equipamentos e toda a infraestrutura de uma agência de forma pontual e, portanto, econômica. Os profissionais desse tipo de empresa estão acostumados a lidar com diferentes tipos de plataformas, por isso, o projeto é concluído mais rapidamente e com mais qualidade final.

GESTÃO DE E-COMMERCE

Tão logo a sua loja virtual entre em funcionamento na internet, você terá que se preocupar com múltiplas atividades administrativas nas áreas de, por exemplo:

  • Logística
  • Embalagem
  • Entrega
  • Fechamento de pedidos
  • Marketing
  • Rotinas administrativas

Esteja ciente disso já na fase de planejamento.
Contrate pessoal se precisar de ajuda para lidar com isso ou terceirize serviços.
Faça o que sair mais em conta no momento, afinal de contas essa não é a hora para esbanjar.
Se no início você não puder contratar um administrador profissional, então peça a ajuda gratuita do Sebrae mais próximo.
Com o tempo e a sua boa dedicação em melhorar seus métodos de administração, eu tenho certeza que você vai conseguir fazer a sua loja virtual evoluir para o próximo patamar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *