Para uma experiência positiva de navegação, o usuário deve ter cautela, segurança e confiança na internet

Tanto para uso em casa quanto em ambientes coletivos, existem boas práticas e estratégias para ter segurança da informação e se proteger na web.

É importante atentar para o tipo de conexão com a internet, as permissões envolvidas, a segurança dos sites visitados e a captação de dados, além de refletir sobre as informações compartilhadas online. 

Como a vida online está cada vez mais essencial, tanto para estudos e trabalho, quanto para socialização e lazer, é cada vez mais importante que as pessoas busquem informação sobre segurança e privacidade durante a utilização das ferramentas digitais.

Dessa forma, evitam-se problemas como vazamento de informações, hackers, invasão de dispositivos, entre outros problemas de navegação que prejudicam a vida on e offline.

As redes públicas e privadas de internet

Existem redes de internet particulares e redes públicas. 

Na modalidade privada, a conexão está restrita a dispositivos conectados a partir de senhas. 

Podem existir na modalidade doméstica ou empresarial, mas somente os dispositivos conectados podem transmitir arquivos entre si (como é o caso de impressoras wifi e pastas compartilhadas, por exemplo).

Já as redes públicas são as redes de acesso aberto: ou é mediante cadastro (como em comércios) ou o sinal fica liberado para conexão. 

Nessa modalidade, as informações são transmitidas com menos exclusividade, o que também as deixa menos seguras em relação à proteção de dados pessoais.

O que o SSL significa para a segurança?

Um ponto importante da segurança online é o certificado SSL

Quando o usuário utiliza mecanismos de busca, se cadastra em páginas e faz compras online, ele precisa de um ambiente seguro para suas informações. 

É aqui que entra o certificado SSL.

Em linhas gerais, um site ter certificado SSL (fica visível ao lado da URL) significa que ele realmente pertence àquela marca ou empresa, evitando fraudes

Também é implantada uma codificação das informações entre usuário e destinatário: assim as informações não podem ser encontradas por hackers.

LGPD: proteção do usuário e novas normas de funcionamento

A sanção da lei 13709, conhecida como Lei Geral de Proteção de Dados, trouxe algumas mudanças no caráter legal do funcionamento da internet no Brasil. 

O objetivo, de acordo com o documento, é “proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e o livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural.”

A implantação da LGPD prevê proteções ao usuário: as organizações devem ser transparentes sobre adequação, finalidade e necessidade de captação de informações. 

Ou seja, ao captar dados do usuário, uma página deve deixar claro para que eles serão utilizados, não utilizar para outros fins e não exigir mais que o estritamente necessário.

Para a utilização da internet, essas mudanças devem aliviar a questão do vazamento de informações: já que empresas não poderão coletar e manter dados sobre a navegação do usuário, eles não estarão sujeitos ao mau-uso nem quebra de sigilo em relação a estes dados.

6 dicas para evitar riscos na internet

Além das ferramentas legais e estruturais, existem métodos que o usuário pode seguir para garantir uma navegação mais segura. 

São práticas que protegem dados individuais e evitam riscos graves.

  1. Compras online

Na hora de realizar compras pela internet, é importante ter muita cautela: verifique se o site é seguro e suas informações serão criptografadas. 

Se sua operadora de cartão oferecer serviço de cartão virtual, é uma ótima opção.

  1. Evite softwares e apps suspeitos

Na hora de instalar uma nova funcionalidade em seu dispositivo, tenha certeza da origem. 

Malwares podem estar ocultos em softwares e prejudicar sua privacidade.

  1. Emails e anexos

Cuidado ao clicar em arquivos. Os emails enviados por empresas não devem solicitar informações pessoais e de pagamento do usuário. 

Não envie suas informações nem faça downloads. Atente para o endereço do remetente e, se parecer suspeito, envie para o spam.

  1. Senhas e segurança

Não utilize senhas fracas nem atreladas aos dados pessoais. 

Opte por senhas alfanuméricas, com caracteres especiais, que você memorize sem abrir brechas para hackers. 

Inclusive em sua rede wifi de casa: não deixe-a vulnerável a invasões.

  1. Antivírus

Instale antivírus e anti malware em seus dispositivos e faça checagem ocasional de potenciais problemas. 

Se o programa alertar sobre uma ameaça, não ignore: tenha certeza que seu dispositivo não está em perigo.

  1. Acesso correto

Ainda que internet em espaços coletivos seja um avanço e praticidade no dia-a-dia, é importante tomar cuidado com o conteúdo acessado por meio dela.

Para transações bancárias e dados sensíveis, evite as redes públicas. 

Nesse caso, o melhor a fazer é esperar ter acesso a uma rede privada, com senha e sem dispositivos desconhecidos conectados, como sua rede de banda larga doméstica.

Ainda que as ameaças na internet sejam preocupantes, uma navegação cuidadosa e atenta evita a maior parte dos riscos. 

Mantenha sempre a segurança em dia e tenha uma conexão efetiva e sem perigos.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Minha Conexão, onde você pode encontrar centenas de conteúdos sobre tecnologia, inovação e internet.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *