Sucesso ou ilusão? Entenda o marketing multinível e suas estratégias

Das vendas diretas ao recrutamento de novos consultores, o marketing multinível está em pleno crescimento no mundo. 

Para se ter ideia, esse sistema movimenta bilhões de reais e gera muitos empregos no país – sobretudo para pessoas interessadas em empreender e formar planos de negócio consistentes.

Mas, será que funciona mesmo? É possível ter boa lucratividade apostando no marketing multinível no Brasil? 

Nas redes sociais e espaços de divulgação muitas pessoas dizem que sim, porém há muito que se atentar para decidir se é bom ou não para seus planos. 

É fundamental saber o que é marketing multinível e como funciona o passo a passo para desassociá-lo de pirâmide financeira e compreender seus conceitos na prática.

Interessante, não é? Então, leia nosso texto, surpreenda-se e saiba tudo sobre essa área em ascensão!

  1. O que é marketing multinível?

O marketing multinível (MMN), conhecido também como marketing de rede, foi lançado na década de 1940 pelo estadunidense Carl Rhenborg com o objetivo de aprimoramento do sistema unilevel – aquele em que o vendedor ganha uma comissão individualmente ao fechar uma negociação. 

Para o administrador, esse esquema não era incentivador e tampouco atraía novos distribuidores para uma empresa. 

Logo, a ideia era promover mudanças e utilizá-lo, abrindo possibilidade de premiações mais instigantes, considerando além de uma maior liberdade para vender, o convite a novos interessados em tornarem-se colaboradores.

Visto como uma novidade, o marketing multinível começou a ser utilizado por várias empresas nos Estados Unidos até ser legalizado pela Comissão Federal do Comércio do país – que estabeleceu regras para o sistema e começou a fazer o cadastramento das corporações legítimas. 

Embora crescente, somente a partir dos anos 1990 surgiram leis mais efetivas que separavam definitivamente o MMN de pirâmides financeiras – uma necessidade após várias denúncias e muitas polêmicas.

Com a legislação, o marketing de rede se estabeleceu como um conceito baseado em transações diretas, com rendimento principal conforme as vendas de cada consultor. 

Ou seja, o profissional conquista determinadas vantagens de acordo com a quantidade de vendas e o plano de compensação da empresa. 

Sendo assim, o foco do marketing multinível atual não é a seleção de pessoas, esse pode ser apenas mais um método de comissionamento – indicou, ganhou.

Vale salientar que nem todas as empresas aderem ao recrutamento, já outras incentivam o perfil empreendedor nos colaboradores, tudo depende caso a caso.

Com a popularização em todo o mundo, o marketing multinível no Brasil teve seu boom no início da década de 2000 com marcas como Herbalife e Forever Living. 

Atualmente somos o quarto país que mais investe nesse sistema, com mais de 4 milhões de indivíduos cadastrados em variadas empresas, revela a ABEVD (Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas).

As perspectivas de crescimento são altas e o MMN é seguido por cada vez mais organizações e pessoas. 

Bancos e companhias aéreas já começam a apostar nesse conceito enquanto muita gente vê o sistema de marketing multinível como uma opção para sair do desemprego e trabalhar de modo autônomo em meio à crise econômica.

Para quem tem um perfil vendedor, gosta do contato direto com os clientes e visa aprimorar tendências de liderança, essa pode ser uma boa solução. 

Mas é essencial ter em mente que os ganhos só virão com o trabalho duro, assim como em qualquer outra atividade, pois o marketing multinível está longe de ser “milagroso” ou uma proposta para ganhar dinheiro rápido e fácil.

  1. Principais características do MMN

  1. Vendas diretas: o consultor atende o cliente diretamente demonstrando e oferecendo os produtos, seja porta a porta, em eventos, via catálogo, etc.
  2. Investimento e autonomia: para representar uma empresa, geralmente é necessário fazer aderir a um plano pago ou consignado. Conforme a saída dos produtos, o vendedor vai subindo de nível e pode fazer desse sistema sua única fonte de ganhos, estabelecendo seus horários de trabalho com total autonomia. Segundo a ABEVD, o marketing multinível gera 8 mil empregos diretos no Brasil.
  3. Plano de compensação: os representantes que mais se destacam são recompensados. Além da comissão relativa às vendas, há prêmios em dinheiro, viagens e outras bonificações conforme o colaborador atinge determinado nível. 
  4. Treinamento e suporte: toda empresa séria e responsável estará disposta a prestar o máximo suporte a seus representantes, oferecendo materiais, cursos online e treinamentos para que o indivíduo conheça o produto e entenda suas funcionalidades para passar a melhor informação aos clientes.
  5. Indicação de novos colaboradores: em praticamente todos os sistemas de MMN é possível recrutar pessoas interessadas a tornarem-se consultores. A cada indicação o vendedor recebe uma comissão e em muitos casos ele pode montar e gerenciar sua própria rede.

Agora que já desvendamos o que é marketing multinível, vamos falar sobre as diferenças para os esquemas de pirâmide para evitar a confusão entre os dois casos.

  1. O que é pirâmide financeira?

“Pirâmides financeiras têm por finalidade obter recursos dos novos integrantes e é essa prioridade que acaba influenciando as características da oferta, quando elas assumem a forma de marketing multinível”, revela o Boletim de Proteção ao Consumidor do Senacon.

Embora similar aos objetivos do MMN, pirâmide – ou mandala financeira – não é um sistema legalizado, muito pelo contrário, é visto como fraude é considerada crime contra a economia popular. Para reconhecer esses esquemas, é preciso se atentar a alguns pontos:

  • Planos extremamente caros para adesão, com valores que extrapolam os quatro dígitos;
  • Foco no recrutamento de colaboradores em sobreposição às vendas. Geralmente os produtos e serviços são usados como fachada, já que a ideia principal é chamar mais e mais investidores para o esquema;
  • Promessa surreal de ganhos em pouco tempo, o que já atribui o sistema a algo ilegal, para desconfiar;
  • Empresas desconhecidas e que usam abordagens pouco claras. Para chamar atenção, usam “métodos motivacionais” e pouco explicam sobre o trabalho a ser realizado.

Além de se atentar a esses detalhes, é fundamental verificar se a organização está cadastrada no site da ABEVD, além de fazer boas pesquisas sobre sua reputação em sites de proteção ao consumidor e redes sociais. 

Fique atento e busque empresas que comercializem produtos e serviços reais em que a remuneração seja baseada nas vendas diretas.

Fica a dica: antes de aderir ao sistema de marketing multinível de corporações renomadas, você pode atualizar seus conhecimentos sobre o assunto com um bom curso de marketing multinível e até aprender mais sobre gestão de pessoas, alternativas interessantes para auxiliar em sua formação profissional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *