Veja como ensinar crianças a cozinhar pode ajudá-las a se desenvolver melhor

Conhecido por seu extenso trabalho, o antropólogo Claude Lévi-Strauss afirmou que a cozinha transforma natureza em cultura.

O fogo foi uma das grandes conquistas da civilização humana e, inserido em distintas culturas, ele confere formas, texturas e sabores às refeições em diferentes sociedades e momentos históricos. Assim, cozinhar aparece como uma metáfora para a inserção dos indivíduos na sociedade.

Cozinhar agrupa diferentes conhecimentos fundamentais, desde saber avaliar quais são os melhores ingredientes a serem usados até prepará-los de forma adequada e acompanhar o desenvolvimento da refeição. Em uma esfera familiar, cozinhar acaba surgindo como um dos melhores meios para realizar atividades conjuntas, incluindo o ato de preparar o alimento até sentar na mesa para comê-lo.

Embora não seja aconselhável deixar crianças manipularem sozinhas os utensílios na cozinha, assistir à preparação de um prato é um primeiro passo importante para integrá-las nessa atividade tão essencial e estimular nelas um melhor desenvolvimento.

Aprendizado com o ambiente

Algumas linhas pedagógicas enfatizam como as crianças aprendem em situações cotidianas e a partir do ambiente no qual estão inseridas. Nessa perspectiva, todo lugar e hora é propício para aprender, processo que não fica restrito apenas aos momentos em que elas permanecem na escola.

A partir dos dois anos, os pequenos já podem começar a participar desse espaço. Além da observação, eles podem realizar pequenas tarefas com os adultos com base em pequenas adaptações que lhe permitam atuar.

Alguns exemplos são: ajudar a buscar os ingredientes na geladeira ou nos armários, organizar a mesa e retirar pratos e utensílios quando terminar a refeição.

Esse exercício ajuda os pequenos a desenvolver autonomia, começar a se conceber como integrante daquele hábito cotidiano e memorizar os lugares de cada objeto (prato, utensílios, copos, guardanapos) na casa. 

Coordenação motora

Manusear utensílios ajuda-os a alimentar-se sem tanta dependência dos responsáveis. O auxílio no preparo dos alimentos, como lavar saladas e preparar massas artesanalmente, contribui para desenvolver a coordenação motora e pode funcionar como uma brincadeira, proporcionando maior integração entre a criança e os familiares de um jeito descontraído.

Pequenos exercícios, como transferir alimentos de um recipiente para outro, pegar a salada e colocá-la em um prato, também garantem maior habilidade com as mãos. É importante que os utensílios estejam adaptados ao tamanho da criança.

Alimentação balanceada e sociabilidade

Crianças que ajudam no preparo das refeições costumam manter dietas mais balanceadas. Especialistas da área apontam, pelo menos, duas razões para esse fenômeno. A primeira refere-se à capacidade de acompanhar como as refeições são preparadas, o que as ensina sobre a importância de escolher os alimentos.

Outra possível razão para  isso é que, quando realizado com o acompanhamento de familiares, o processo de preparar alimentos e comer passa a ser associado a momentos de prazer. Isso faz da refeição não uma mera obrigação, mas um período a ser aproveitado com pessoas que a criança gosta, o que também contribui para aumentar a sociabilidade dela. 

Noções de higiene

Integrar as crianças na cozinha também ajuda a ampliar as noções delas sobre higiene, desde lavar as mãos e prender os cabelos até lavar os alimentos e limpar as louças.

Se os seus filhos se recusam a participar da preparação dos alimentos e da limpeza da louça, uma dica é colocar músicas durante essas atividades, o que pode estimular a participação deles nesses processos. 

A música surge, aqui, como elemento lúdico, que pode trazer mais descontração ao cozinhar e não capta a atenção delas a ponto de impedi-las de participar — o que pode ocorrer com desenhos na televisão ou no celular.

Cuidados essenciais

É fundamental lembrar que, independentemente da idade, incluir a criança na cozinha requer o acompanhamento de adultos durante todas as atividades ali desenvolvidas.

Outro cuidado é acostumá-las, desde pequenas, a utilizarem materiais, adotar hábitos de proteção, como luvas contra queimaduras, e manter cabos de panela virados para as partes traseiras do fogão. Instruí-las como usar facas e desligar o fogão ao terminar o preparo também é fundamental para evitar acidentes e lesões.

Texto: Gear Seo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *