8 recomendações absurdas para o combate ao coronavírus

Apesar de conhecido, o vírus Covid-19 ainda não possui um tratamento ou uma vacina de prevenção específica contra a doença, o que tem deixado o mundo preocupado sobre como erradicá-la.

Surgem na internet diversas “receitas milagrosas” para a emergência, prometendo combater e prevenir contra o coronavírus. 

Entretanto, a maioria delas não possui embasamento científico algum e se trata apenas de especulações que podem comprometer a saúde.

Nas últimas semanas, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alegou que seria ideal utilizar um tratamento com injeções de desinfetantes para combater o vírus. A recomendação perigosa e ineficaz trouxe consequências. 

Segundo o Centro de Envenenamento de Nova Iorque, o sistema recebeu 30 novas chamadas de emergência por intoxicação com o produto. Tudo isso, 18 horas após a declaração do presidente.

Especialistas e órgãos de saúde se manifestaram contra o pronunciamento de Trump, alertando sobre os perigos de utilizar o desinfetante nessa situação. Conheça estas e outras recomendações absurdas para combater o coronavírus.

1. Uso de vodka e banho de sauna

Declarações equivocadas sobre a pandemia também foram dadas por Alexander Lukashenko, presidente de Bielorússia, país localizado no Leste Europeu. Segundo ele, o combate à doença deve ser feito com a ingestão de 40 a 50 mililitros de vodka por dia, lavando as mãos com a bebida e usando saunas para exterminar o vírus. 

Entretanto, o presidente de Bielorússia acredita que o coronavírus se trata de uma “psicose global” e de que ele não representa ameaça alguma para a população. Por isso, o país continua com os eventos sociais normalmente, inclusive com as festividades tradicionais. 

2. Lâmpadas ultravioleta 

Alguns vídeos na internet dizem que os raios ultravioleta (UV) são capazes de eliminar micro-organismos e bactérias. Entretanto, a Organização Mundial de Saúde (OMS) salienta que não existem estudos que comprovam a eficácia desse processo. Além disso, os raios ultravioleta ainda podem causar sérias irritações na pele. 

3. Alho

Existem várias recomendações na web sobre o consumo de alho para prevenir o coronavírus e até mesmo outros problemas.

Apesar de ser um alimento que possui benefícios à saúde, a Organização Mundial de Saúde afirma que não existem dados que atestem a eficácia do alho no combate ao Covid-19. 

4. Calor 

Algumas postagens que percorrem as páginas de redes sociais do mundo apresentam a recomendação de se tomar banhos quentes, ingerir água aquecida e utilizar o secador de cabelo para eliminar o coronavírus.

Mas, apesar do vírus da gripe ter maior facilidade de se proliferar em ambientes frios, por exemplo, não existem comprovações científicas para atestar que o calor elimine o vírus. 

5. Minerais especiais

De acordo com o youtuber norte-americano Jordan Sathler, existe um potente mineral especial chamado MMS que poderia eliminar o coronavírus.

A substância contém dióxido de cloro, um alvejante utilizado para limpeza geral. Mas a FDA (Food and Drug Administration) dos Estados Unidos afirmou que não existe comprovação alguma de que a substância combata a esta e a outras doenças.

Assim como o órgão, outras autoridades internacionais também se pronunciaram sobre os perigos de consumir essa substância, que pode causar desidratação, náusea, vômito e diarreia. 

6. Óleo de gergelim

Com propriedades hidratantes para a pele e o cabelo, o produto surgiu nas redes sociais como uma tentativa de que, ao ser ingerido, pudesse eliminar o vírus do organismo. Porém, a OMS afirma que, além de não ser eficiente, a ingestão de óleo de gergelim pode causar danos à saúde. 

7. Prata coloidal

Recomendado por um convidado no programa de TV norte-americano do ex-ministro da Assembleia de Deus, Jim Bakker, o uso da prata coloidal teria o poder de exterminar em 12 horas algumas substâncias do coronavírus, além de agir como um antisséptico, auxiliando o sistema imunológico.  

Porém, de acordo com os órgãos de saúde dos Estado Unidos, além de sua ineficácia no combate ao Covid-19, a prata coloidal pode trazer uma série de problemas de saúde, como danos aos rins, convulsões e alergias. 

8. Gengibre

De acordo com diversas receitas compartilhadas pelas redes sociais, comer o gengibre cozido ou cru, após um jejum de 24 horas, aumenta a temperatura corporal e pode eliminar o coronavírus. Mas não existem comprovações científicas de que o gengibre possa ser eficaz para o tratamento da doença. 

Texto: Gear Seo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *