5 dicas para abrir um comércio de alimentação coletiva de sucesso

A alimentação fora do ambiente doméstico, é um hábito que cresce cada dia mais no Brasil. Por essa razão, o segmento alimentício pode ser visto como um setor bastante rentável no cenário brasileiro.


De acordo com dados do Instituto de Food Service Brasil, o ramo de alimentação no Brasil gera mais de 220 mil empregos e fatura cerca de 60 bilhões de reais.

Com o crescimento populacional e o aumento do poder de compra, estima-se que em 2019 esse valor quase quadruplique, chegando a 230 bilhões de reais.

Diante desses dados, o ramo de alimentação é um objetivo para muitos que pretendem investir e empreender abrir um negócio.

E assim, a concorrência cada vez maior exige também cada vez mais qualidade e criatividade na hora de investir nesse setor e preparar uma refeição.

Além disso, os próprios hábitos de consumo alimentar do brasileiro vêm sofrendo alterações nos últimos anos, de acordo com informações de profissionais da Fundação Getúlio Vargas e da Faculdade IBS.

Por que investir no setor alimentício?

O que demanda uma constante atualização, dos empreendedores de refeições coletivas. É preciso estar atento às funções sociais da alimentação, como a socialização, o lazer e a saúde.

Além das empresas autogeridas de refeições, um mercado que também cresce progressivamente, trata-se do mercado de alimentação coletiva – que presta serviços a escolas, hospitais e empresas em geral.

A contratação de empresas fornecedoras de refeições coletivas, têm sido uma opção que permite aos contratantes otimizar seus investimentos, contratações e seu tempo.

De acordo com informações da ABERC (Associação Brasileira de Empresas de Refeições Coletivas), em 2017 foram fornecidas 12 milhões de refeições ao dia.

Gerados 210 mil empregos, consumidas 7 mil toneladas de alimentos e movimentados 19 bilhões de reais.

Conheça dicas para obter sucesso em sua empresa

Se você considerou esse mercado atrativo e pretende investir no setor, confira 5 dicas para abrir um comércio de alimentação coletiva de sucesso:

1. Proporcione atendimento personalizado

Além da agilidade e da produtividade, um atendimento personalizado também é um fator que demonstra profissionalismo e que fideliza clientes.

Estudar o perfil do cliente, observando e se atualizando acerca de seus hábitos alimentares é uma excelente estratégia.

Os temperos utilizados e as combinações e opções de comida irão variar caso a caso. A inovação é também uma opção para surpreender a clientela e criar tendências.

2. Invista em uma boa estrutura

Tanto na produção das refeições, quando na sua apresentação e disponibilização ao cliente, contar com equipamentos que exigem baixo custo de manutenção, modernos e funcionais é essencial.

Ao se avaliar a aquisição dos equipamentos e utensílios, é preciso avaliar sua resistência, o design, a versatilidade e o custo-benefício (necessidade de manutenção inclusa).

No caso do fornecimento de um balcão self service quente e frio, avalie se a melhor opção para aquecer o alimento será a resistência seca ou o banho maria.

A resistência seca tem se mostrado uma opção de melhor custo-benefício, por reduzir a probabilidade de acidentes de trabalho, reduzir os custos com mão de obra para abastecimento e retirada da água.

Reduzindo o tempo de aquecimento dos alimentos e economizar energia em relação ao sistema de banho-maria. Avalie também, a cada caso, se o ambiente de atendimento requer buffets modulares ou fixos.

Ou se é interessante um módulo para refeições quentes e outro para as opções frias, por exemplo.

3. Conte com uma equipe qualificada

A contratação de gastrônomos, nutrólogos e nutricionistas é um bom investimento para acompanhar as tendências alimentares.

E fornecer uma refeição saborosa, saudável, nutritiva e de qualidade. Além disso, a experiência e os saberes desses profissionais, irão contribuir para que o atendimento seja realmente personalizado.

4. Calcule

A contabilidade para restaurantes deve levar em consideração:

  • As compras e o estoque alimentícios;
  • O frete e o ICMS sobre as compras;
  • O consumo de energia dos aparelhos e máquinas;
  • A folha de pagamento da equipe;
  • O transporte de alimentos;
  • A compra de itens básicos (embalagens, utensílios de cozinha, louças, etc.).

É importante ter um registro de gastos fixos e é recomendável que se tenha um livro caixa. Não deixe de comparar os preços, que cada fornecedor estabelece, a fim de economizar.

5. Faça da publicidade sua aliada

O investimento em marketing digital, a presença em feiras de sustentabilidade e do ramo alimentício, o uso de redes sociais, criação de mailing e afins, são aliados necessários.

Com o crescimento do mercado, a publicidade é essencial para que seu negócio seja notado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *