Confira agora: tudo o que você precisa saber sobre os fundos previdenciários

Diante da piora da crise econômica causada pela chegada do novo coronavírus, muitas pessoas se viram despreparadas financeiramente.

Isso ocorreu pois não houve nenhum tipo de reserva de emergência ou dinheiro guardado que pudesse garantir uma certa estabilidade em momentos como esse, o que levou a um acúmulo de dívidas e contas atrasadas.

Assim, o interesse da população sobre previdência privada que já estava aumentando gradativamente ao longo dos últimos anos, deu um salto diante dessa crise que vivemos em 2020. 

Por isso, a busca pelos melhores fundos de previdência privada alcançaram altos níveis nos principais buscadores online e houve um aumento de investimento nesses fundos.

Toda essa movimentação é bastante sugestiva e indica que o brasileiro tem interesse em se tornar um investidor e se preocupa com a estabilidade do seu futuro.

Para que você possa fazer a melhor escolha, selecionamos aqui as principais informações sobre os fundos previdenciários, confira a seguir. 

O que é fundo previdenciário?

Desde a Reforma da Previdência ocorrida em 2019, a busca por fundos previdenciários cresceu muito no país. Mais de 400 mil pessoas contrataram algum tipo de plano de previdência privada, alcançando a reserva histórica de R$ 1 trilhão, segundo a Federação Nacional de Previdência Privada (FenaPrev). 

De maneira geral, um fundo previdenciário nada mais é do que um plano de previdência privada gerido por uma empresa, que permite ao investidor planejar a sua aposentadoria completa ou apenas um complemento sem depender tanto do INSS. 

Esse tipo de aplicação funciona em duas fases: a de acumulação de recursos e a de recebimento dos benefícios. Vamos entender um pouco mais sobre elas abaixo:

Acumulação de recursos

Nesta primeira fase, o investidor realiza aportes com o objetivo de construir um patrimônio a longo prazo, sempre atento às perspectivas de rendimento para o futuro. 

Aqui você precisa ser muito comprometido com o seu objetivo, visto que os aportes só dependem de você, diferentemente do que ocorre no plano de previdência pelo INSS. 

Recebimento de benefícios

Em seguida, você poderá escolher a melhor forma para receber todo o capital acumulado ao longo dos anos previamente determinados. 

Existem duas opções: o investidor escolhe se prefere receber todo o valor de uma vez ou se opta por receber uma renda mensal por um período determinado de tempo. 

Vantagens e desvantagens

Assim como em qualquer tipo de aplicação, os fundos previdenciários também apresentam vantagens e desvantagens. 

Antes de investir, você deve se atentar aos principais aspectos positivos e negativos e, só então, determinar se é um investimento válido para alcançar seus objetivos ou não.

Vantagens

Certamente uma das principais vantagens relacionadas à previdência privada é a possibilidade de realizar um investimento a longo prazo com objetivo de construção de patrimônio além, é claro, da garantia de renda no futuro – que pode ser usada tanto na aposentadoria ou para outro fim.

Além disso, outro ponto positivo é a ausência de antecipação do recolhimento do Imposto de Renda e, ainda, oferece desconto no Imposto de Renda. 

Ademais, o plano de previdência privada é muito indicado em casos de transmissão de patrimônio, visto que não é incluído em nenhum processo de inventário, o que garante a liberação rápida do dinheiro aos beneficiários e diminui o pagamento de impostos.

Desvantagens

Apesar de não sofrer recolhimento de Imposto de Renda, o investimento da previdência privada apresenta taxas embutidas, que podem diminuir o rendimento.

Taxa de administração, taxa de carregamento e taxa de saída são os principais exemplos e podem variar de acordo com a instituição financeira escolhida. 

  • Taxa de administração: é cobrada pela gestão do fundo de investimento, podendo variar entre 1% até 5% ao ano;
  • Taxa de carregamento: é uma taxa que incide sobre as contribuições realizadas ao plano, podendo ser também chamada de taxa de entrada,
  • Taxa de saída: normalmente é uma taxa cobrada por alguns fundos sobre o valor a ser resgatado.

A tendência natural, com um maior número de pessoas aderindo a esse tipo de investimento, é que as taxas diminuam progressivamente, principalmente devido ao aumento da concorrência entre os diferentes fundos previdenciários.

Além dessas três taxas, caso você tenha necessidade de resgatar o dinheiro investido antes do tempo determinado você não será impedido, entretanto, haverá a cobrança de algum ônus. 

Nesse caso, quanto mais cedo você resgatar seu rendimento, maior a porcentagem de imposto será cobrada em cima dele. 

Tipos de fundos previdenciários

Atualmente existem dois tipos de previdência privada disponíveis no mercado: o VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livre) e o PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre). De maneira geral, a diferença entre os dois é a tributação sofrida por cada um. 

Enquanto no VGBL, o Imposto de Renda incide apenas sobre os rendimentos, o PGBL desconta impostos de todo o valor acumulado. Além disso, também é importante dizer que o PGBL permite deduzir até 12% da renda tributável obtida no ano. 

Assim, é possível notar que os fundos previdenciários são uma boa opção de investimento a longo prazo para quem tem interesse em manter um futuro tranquilo, sem esquentar a cabeça com a aposentadoria do INSS. 

Apesar das desvantagens, é necessário manter em mente que qualquer investimento vai apresentar pontos negativos, basta você escolher o que mais se adequa aos seus objetivos. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *